quinta-feira, 27 de setembro de 2007

MARTELO


Segue do Avesso
.
O que quero da minha poesia
é que seja inverso
tal qual martelo
de prontidão pra arrasar
qualquer castelo

.
que se ocupe do absurdo
e renegue a digestão
de juizos prontos.

.
que seja inverso
porque do verso
farei ruína
.

.
Alek Sander de Carvalho
inverso de 2006

Um comentário:

jeff disse...

Isso que eu Chamo de marteladas,
Parabens Alek e Obrigado por esses espaço q me foram consedidos